Principal Promoções Como Funciona Listagem Fale Conosco Downloads
 
  Pesquisar Produto por Palavra...
O valor a direita mostra o valor total a ser pago...

R$ 0,00

  Envie ou Confira seu pedido...
 
Adm. do Tempo
Administração
Agrárias
Alimentação
Animais
Artesanais
Autoajuda
Automotivo
Bolsa de valores
Botânica
Cabeleireiro
Comunicação
Concursos
Construção Civil
Criação
Culinária
Cultivo
Dinheiro
Direito
Economia
Empreendedorismo
ENEM
Ensino Fundamental
Ensino Médio EJA
Esotérico
Espiritismo
Espiritualidade
Esportes
Fotografia
Gestão
Humorismo
Idiomas
Informática
Inteligência
Internet
Liderança
Literatura
Literatura Estrangeira
Literatura Juvenil
Mágicas
Maquiagem
Marketing
Massagem
Mecânica
Mistérios
Música
Policial
Política
Profissionais
Psicologia
Relacionamentos
Romance
Saúde
Sexo
Terror
Variados
Vendas
Vestibular
   
   
 
   
 
   
    Cadastre seu Email e receba informativos do site...
   
  Código: 44
 

 

 

Coisas Que Só Eu Sei, de Camilo Castelo Branco

 

 

SOBRE O AUTOR  

Romancista, poeta, dramaturgo ou historiador literário português nascido em Lisboa, considerado modelo da língua literária de sua época, e fundamental na história da prosa de ficção do português, principalmente como romancista. Muito popular em seu país, sofre influência das várias tendências da literatura européia do século XIX, mas é sobretudo um romântico. Cedo perdeu os pais e foi criado por parentes, passando por muitas dificuldades na infância e adolescência. Casou-se aos 16 anos, mas logo abandonou a mulher e foi para o Porto, onde iniciou um curso de medicina (1844) e direito em Coimbra (1845), mas desistiu dos estudos. Ingressou no jornalismo (1848) e, dois anos depois, matriculou-se no seminário do Porto (1850), que logo trocou pela vida boêmia e a leitura de escritores franceses.

Teve vários casos amorosos, até se que se apaixonou por Ana Augusta Plácido, uma mulher casada com um comerciante, mas que abandonou o marido para viver com ele. Presos por adultério (1861), na cadeia escreveu em duas semanas Amor de Perdição, sua obra mais conhecida, e publicada no ano seguinte. No livro, narra uma paixão que leva o protagonista ao crime e ao exílio. Ana Plácido enviuvou (1864) e ambos mudaram-se para São Miguel de Seide, ano em que também publicou Amor de Salvação. Sempre com muitos problemas financeiros, a concessão (1885) do título de visconde de Correia Botelho não lhe melhorou as condições de vida, agravadas pela doença e pela ameaça de cegueira, além da melancolia crescente e autodestrutiva. Vivendo de literatura, quase cego e com um filho louco, além de atormentado como os muitos problemas financeiros, suicidou-se com um tiro, em São Miguel de Seide, Vila Nova de Famalicão.

Em sua vasta obra também se destacaram Anátema (1851), Mistérios de Lisboa (1854), Duas épocas na vida (1854), O livro negro do padre Dinis (1855), Vingança (1858), Carlota Ângela (1858), A morta (1860), O romance de um homem rico (1861), O olho de vidro (1866), A doida do Candal (1867), O retrato de Ricardina (1868), A mulher fatal (1870). De outra linha, Doze casamentos felizes (1861), Estrelas funestas (1861), Coração, cabeça e estômago (1862), Estrelas propícias (1863), O judeu (1866), Eusébio Macário (1879), Novelas do Minho (1875-1877), A corja (1880) e A brasileira de Prazins (1882), além de várias peças teatrais como Agostinho de Ceuta (1847) e O Marquês de Torres Novas (1849), sátiras como Murraça (1848) e O Caleche (1849) e poemas satíricos como Os Pundonores Desagravados (1845) e O Sonho do Inferno (1845) e poemas líricos como Inspirações (1851) e, especialmente, novelas.

Possui 35 páginas em formato PDF.

 

R$ 1.00

 

Esta é uma Apostila Digital e Será Entregue via Email.

 

 
Construtor Web Sites - Desenvolvimento de Sites

Apostilas Digitais

Valid XHTML 1.0 Transitional

Internet Explorer Netscape Mozilla FireFox Testados nos Navegadores