Principal Promoções Como Funciona Listagem Fale Conosco Downloads
 
  Pesquisar Produto por Palavra...
O valor a direita mostra o valor total a ser pago...

R$ 0,00

  Envie ou Confira seu pedido...
 
Adm. do Tempo
Administração
Agrárias
Alimentação
Animais
Artesanais
Autoajuda
Automotivo
Bolsa de valores
Botânica
Cabeleireiro
Comunicação
Concursos
Construção Civil
Criação
Culinária
Cultivo
Dinheiro
Direito
Economia
Empreendedorismo
ENEM
Ensino Fundamental
Ensino Médio EJA
Esotérico
Espiritismo
Espiritualidade
Esportes
Fotografia
Gestão
Humorismo
Idiomas
Informática
Inteligência
Internet
Liderança
Literatura
Literatura Estrangeira
Literatura Juvenil
Mágicas
Maquiagem
Marketing
Massagem
Mecânica
Mistérios
Música
Policial
Política
Profissionais
Psicologia
Relacionamentos
Romance
Saúde
Sexo
Terror
Variados
Vendas
Vestibular
   
   
 
   
 
   
    Cadastre seu Email e receba informativos do site...
   
  Código: 31
 

 

 

A Normalista, de Adolfo Caminha

 

 

O romance A normalista foi publicado em 1893, há mais de 100 anos, portanto.

Por esse motivo, é impossível lê-lo como se lê uma obra escrita nos dias de hoje. Em primeiro lugar, é preciso que o leitor se transporte para um tempo anterior ao seu nascimento, do qual ele só poderia conhecer através de leituras ou de outras informações. A experiência pessoal do leitor, aquela que ele vai acumulando na vivência do seu dia-a-dia, muitas vezes pouco tem a ver com o local, os acontecimentos e a moral que serviu para situar o drama vivido pelos personagens de um romance como A normalista.

Logo no primeiro capítulo, o leitor precisa da ajuda do dicionário para saber o que é um “amanuense”, ou captar o sentido de frases ou expressões como “as insinuações malévolas da alcovitice vilã”. E o “víspora”? Será que todo jovem reconheceria nesse jogo um precursor do bingo atual? E “phaeteon”, “caiporismo”, “redingote”, “coxia” (no sentido de calçada), “botica”? E o tratamento de “vossemecê”?

No caso de A normalista, outro problema de linguagem se coloca: o regionalismo. Além de ter de deslocar a sua imaginação e a sua compreensão no tempo, o leitor se vê diante de expressões restritas ao local em que se desenrola a história do romance. Nesse caso específico de A normalista, em Fortaleza, no Ceará, mas expressões que também podem ser de uso corrente em todo o Nordeste.

O professor e pesquisador literário M. Cavalcanti Proença escreveu que Adolfo Caminha “teve a preocupação de se não tornar pomposo ou oratório, o que abriu lugar para muito material de linguagem regional de estilização do coloquial”.

Assim, recolhemos os exemplos “bichinha”, “rapariga de família”, “o peru era uma excelente bebida”, e mesmo ditos populares como: “pela cara se conhece quem tem lombrigas”, “sem tugir nem mugir”, e muitos outros.

Na verdade, Adolfo Caminha não insiste em demasiado nas palavras de cunho regional, o que fazem outros escritores, para dar uma “cor local” a histórias ambientadas em lugares de fala bem característica.

Surge, ainda, uma terceira dificuldade para a compreensão imediata do texto, pela utilização de palavras eruditas, pouco usadas na comunicação quotidiana das conversas, do jornal, da televisão. Por exemplo: “seródia”, “rótula”, “tabernáculo”, “estiolando”, “almiscarado”.

Mas tudo isso, vocabulário em parte antiquado, regional ou erudito, não deve desestimular o jovem a prosseguir na leitura começada. Literatura também é este enriquecedor contato com o que ainda não sabemos, mundos distantes do nosso, aberturas para o desconhecido.

E a história? O enredo? Também deve o leitor fazer um esforço para entender a problemática, a tensão e o drama que se desenrola dentro do contexto da época e do local onde foi situado o romance.

As reações dos personagens às situações por eles vividas há 100 anos são, certamente, retratadas de forma diferente caso fossem escritas nos dias de hoje.

No entanto, o leitor deve deixar-se envolver por essa atmosfera regional do passado, que Adolfo Caminha descreve com minúcia realista. Josué Montello, em seu ensaio A ficção naturalista, afirma que A normalista “sobressaía pela transplantação fiel e natural da vida da província e vigor na fixação dos temperamentos e dos caracteres”.

O romance relata as muitas tristezas e poucas alegrias de uma jovem que é entregue por seu pai ao padrinho, para criá-la. Ela é uma menina normal, que estuda, que tem uma amiga confidente, um pretenso namorado de nível muito superior ao seu e, desgraçadamente, é engravidada pelo padrinho e acaba casando-se com um alferes da polícia.

O pano de fundo é uma cidade provinciana do século passado, cheia de preconceitos e maledicências. A jovem Maria do Carmo, personagem principal, que dá nome ao romance, sofre as conseqüências desse meio mesquinho, que não oferece oportunidades de um crescimento interior nem alternativas de vida.

Uma história vulgar, passada numa cidade atrasada e vivida por personagens medíocres, sem horizontes nem futuro.

Mas, graças ao talento do escritor Adolfo Caminha, acontece o milagre da criação literária: o texto se ilumina de uma aura de beleza e continua atraindo, ao longo dos anos, a atenção e o interesse de gerações e gerações de novos leitores.

Possui 174 páginas em formato PDF.

 

R$ 1.00

 

Esta é uma Apostila Digital e Será Entregue via Email.

 

 
Construtor Web Sites - Desenvolvimento de Sites

Apostilas Digitais

Valid XHTML 1.0 Transitional

Internet Explorer Netscape Mozilla FireFox Testados nos Navegadores